Menu fechado

Bora jogar… enquanto podemos

Fala rapaziada do UBQ, beleza? Hoje não falarei de um game em especial, mas sim do universo dos games que cresce cada vez mais com o passar dos anos e remonta de muitos anos atrás lá com o tataravô dos jogos, o Pong. Um jogo inocente para os padrões de hoje, mas vamos lá… Games são únicos responsáveis pela violência?

Pong... o clássico início dos jogos eletrônicos
Pong… o clássico início dos jogos eletrônicos

Recentemente tivemos um infeliz episódio em uma escola de Suzano que chocou o país e o mundo.

Como muitos sabem, dois jovens invadiram a escola, fortemente armados, e simplesmente atiraram em alunos, professores, funcionários e logo depois tiraram a própria vida.

O episódio é triste por diversas óticas. Temos aqui as vítimas, assassinos, as famílias de ambos os lados, sem contar o terror que os sobreviventes ainda devem sentir quando fecham os olhos.

A tragédia em Suzano... algo para o qual não podemos fechar os olhos.
A tragédia em Suzano… algo para o qual não podemos fechar os olhos…

Esta tragédia serve para levantar muitas questões importantes para a sociedade brasileira:

A questão da liberação do porte de armas, cuidado com nossas crianças nas escolas, segurança nas ruas e em instituições… são questões que com certeza trarão benefícios à sociedade se devidamente debatidas e endereçadas.

Eis que o episódio “abriu espaço” para um tema que ja foi levantado diversas outras vezes e que falo abertamente pela primeira vez: a influencia dos games (seja na vida das crianças, adolescentes ou adultos).

Games são os únicos responsáveis pela violência na sociedade?

Uma ampla discussão. A violência está nos jogos?

Este texto não visa trazer dados de pesquisas, estudos, etc. Falo aqui de forma aberta e franca baseado na minha experiência com games, na minha relação com pessoas que, assim como eu, gostam de games e na observação.


Querer colocar um ato absurdo desse (além de outras) na conta dos vídeo games é jogar a poeira para baixo do tapete.

A sociedade demonstra atitudes violentas desde o início de sua história, do homem das cavernas ao homem moderno.

E sabemos que o homem moderno não é nem o que a mais tempo pisa na terra que dirá então o tempo dos games neste mundo não é mesmo?

Bom, para mim os games entram em uma categoria de entretenimento bem como filmes, séries e quadrinhos.

Estes recursos de diversão estão disponíveis para crianças e adultos, cada um com seu nível de liberação. Cabe aos responsáveis das crianças determinar quais conteúdos estes poderão ter acesso.

Não tem sentido afirmar que os games são os únicos responsáveis pela violência na sociedade.

As questões principais: Intolerância e Respeito

Desde pequeno eu jogo vídeo game; comecei no Atari e passei por praticamente todas as gerações e consoles além dos pc games, fliperamas e tetris.

Como eu, alguns amigos que conheci bem pequeno, outros que já maiorzinho, também são fãs e jogadores assídios de games. Nunca vi nenhum deles agir com violência em momento algum devido a influencia dos games.

O que eu já vi acontecer (e muito) é o ser humano agir com violência quando colocado em uma situação extrema como é o caso de quem sofre bullying.

Ou agir violentamente quando não possui escrúpulos e se acha no direito de tomar de alguém só porque este tem mais que você.

Ou até mesmo agir de forma violenta por não ter o que quer na hora que quer…

E os seres humanos que agem com violência por causa de petróleo, pela religião, pelo time do coração, por partido político, por território, por discordar de sua opção sexual, cor, raça, etc?

Intolerância. A característica do que é intolerante.

Isso é sim algo que a sociedade deve estar atenta, o ser humano é um animal racional mas ainda um animal, possui instintos que são suprimidos por sua razão.

Mas que não são totalmente anulados.

Infelizmente, temos cada vez mais atos como estes, pois nós estamos formando muitos seres que não possuem amor, carinho, moral, ética e todos os demais recursos que devem ser transmitidos.

O que falta no cerne do ser humano é RESPEITO.

Respeito por quem é diferente, pela preferência do próximo, pela opinião do próximo, pela forma do amiguinho agir, pensar, gostar, sentir e por ai vai.

Respeito. Sentimento que leva alguém a tratar outra pessoa com grande atenção

Se houvesse respeito latente no peito de cada ser humano de certo não veríamos notícias como a da tragédia em Suzano.

Não são os games… são as pessoas!

Então amiguinhos, não são os games que transformam crianças em adolescentes/adultos psicóticos que irão agir violentamente contra o mundo.

Ao meu ver esse tipo de comportamento já está escrito no DNA da pessoa, ele apenas aflora com o tempo de acordo com o ambiente em que esse ser vive.

Consideram o pitbull uma das raças de cão mais violentas. Já vi muito desses bichinhos dotados de um carinho absurdo com seus donos e com as pessoas em volta.

Tudo porque foram criados desta forma.

Mas, PH… e as pessoas que crescem em ambientes hostis e não se tornam assassinos, ladrões, etc?

Como eu disse, acredito que isso está escrito no seu DNA. Alguns têm linhas voltadas pro mal, outros pro bem e o meio interfere na sua forma adulta.

Games são únicos responsáveis pela violência?

Não vamos colocar a culpa nos jogos. Vamos olhar para o próprio umbigo, para nossas casas, nossos familiares. Contribuir para que todas tenham boa educação.

Que traga amor e repeito dentro de casa e deixem os games, livros, filmes,quadrinhos, séries, etc, fazerem seu papel.

Que é – nada mais, nada menos – do que entreter e levar o jogador (espectador, leitor, enfim…) a mundos onde ele apenas poderia ir em sonho.

Games nos levam ao mundo da imaginação
Games nos levam ao mundo da imaginação

Outros artigos do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *