Menu fechado

O UBQ não estará na CCXP 2019

Hoje venho ao UBQ escrever um texto na qualidade de diretor de redação. Um Editorial que eu não gostaria de publicar. Mas o gosto de derrota está um pouco amargo demais. Estudamos, planejamos, criamos toda nossa estratégia para a cobertura. Mas fracassamos… O UBQ não estará na CCXP 2019.

Um pouco da história

Me parece desnecessário explicar o que vem a ser a CCXP. Mas na hipótese de alguém mais desavisado ter chegado aqui, vamos com a informação da Wikipedia:

A Comic Con Experience (ou simplesmente CCXP) é um evento brasileiro de cultura pop cobrindo as principais áreas dessa indústria como: vídeo-games, histórias em quadrinhos, filmes e séries para TV.

FONTE: Wikipedia – A Enciclopédia Livre (Link para o verbete)

O evento acontece desde 2014 e todos os anos vêm batendo recordes de audiência. Em sua primeira edição, contou com cerca de 97 mil visitantes. Número que saltou para pouco mais de 262 mil pessoas em 2018. E em 2019? Bom… basta dizer uma coisa: ingressos esgotados.

Não comprou seu ingresso? Bom… então você não irá comprar mais… eles se esgotaram.

Qual é o significado da CCXP?

A Comic Con é antes de tudo um evento cultural. E estamos falando da cultura digital, da cultura geek, da cultura nerd. Todas as tribos se encontram por lá… temos atores e atrizes das séries e filmes mais badalados, temos quadrinistas e cartunistas, temos eventos de Cosplay, temos, temos uma área gamer…

Ufa… tem tanta coisa.

São estandes, palestras, mini eventos, áreas para novas experiências, um shopping geek completo…

Sim… a CCXP é uma experiência incrível. E qualquer pessoa minimamente ligada a este universo, deveria registrar presença por lá.

Não é justamente sobre isso que o UBQ trata em seus conteúdos?

Pois é… o UBQ já está na estrada a mais de 10 anos. Tudo começou com um projeto pessoal. Mas o blog cresceu… deixou de ser pessoal e foi abraçado por talentos que ao longo dos anos, oferecem ao público aquilo que tem de melhor: sua criatividade, suas ideias, trazendo novos olhares e novas perspectivas.

E o UBQ traz em seus conteúdos boa parte do que se vê ali na CCXP. É natural que para nós, a CCXP seria algo como nosso evento maior. Estar ali na qualidade de veículo de imprensa seria o fechamento com chave de ouro para um ano em que muita coisa mudou aqui.

Então, fizemos nossa lição de casa, organizamos nossa editoria, capacitamos nossos redatores, observamos todas as diretrizes para credenciamento. E ficamos um bom tempo na expectativa.

E não… não foi desta vez. O UBQ ficou de fora no processo de seleção.

A mensagem que não queríamos receber… o UBQ não atende os padrões de qualidade da CCXP

O Choro é livre?

Antes de qualquer crítica, vamos deixar claro que não estamos lamentando a oportunidade de visitar gratuitamente um dos maiores eventos ligados à nossa área de atuação.

O UBQ fez o cadastramento de quatro profissionais: eu, na qualidade de editor-chefe do site; o PH Vizza que é nosso colunista de games e hq’s, o Júnior Ferreira como nosso colunista da área musical e o Vinícius EFLA, que além de nosso profissional de audiovisual é também o colunista de cinema e séries.

Ou seja, nosso planejamento previa levar apenas quem realmente poderia atuar e tinha algo a acrescentar. Queríamos levar aos nossos quase 500 inscritos no YouTube, aos nossos quase 3000 mil leitores mensais do site, sem contar os quase 400 ouvintes (por episódio) de nosso podcast.

Não temos números estratosféricos como os da CCXP. Mas temos uma audiência fiel. E é por eles e para eles que gostaríamos participar da CCXP como veículo de imprensa.

Mas e aí? O que aconteceu?

Esta é a grande incógnita… Eu confesso que gostaria de entender um pouco melhor este tal “criterioso processo de seleção”. E é uma pena que a organização da CCXP não tenha um pouco mais de transparência no processo.

No site da CCXP, na área destinada à imprensa, consta a informação:

“Para a aprovação do credenciamento serão levados em consideração critérios como: relevância, linha editorial, tiragem/audiência/engajamento e abrangência de cada veículo, priorizando a imprensa e os criadores de conteúdo especializados.”

É claro que a organização da CCXP faz o evento não só para a comunidade, mas também – como empresa – faz para auferir lucro na organização e execução do evento. Não sejamos ingênuos.

Se observamos os valores dos ingressos, os patrocinadores dos eventos, sem contar toda a visibilidade da mídia, obviamente que é um evento grande, com grandes cifras envolvidas.

Mas não seria legal se a o pessoal da CCXP considerasse que o universo geek não é formado somente pelo pessoal do Jovem Nerd, ou então do Ultra Geek, ou ainda pelos grandes digital influencers (e aí a lista é enorme… Coisa de Nerd, Controle 2, Pipocando… etc.. etc.. etc…) e isto só para citar alguns poucos nomes?

Pouco importa os pequenos produtores de conteúdo

O UBQ está a 10 anos no mercado trazendo informação, opinião e entretenimento. Desde 2009, um blog pessoal começou a publicar e divulgar a cultura digital, apresentar conteúdos sobre tecnologia, cinema, música, jogos digitais, qualidade de vida e cotidiano.

Temos uma equipe que trabalha de modo incessante para melhorar, aprimorar seus processos, crescer e tornar-se relevante na mídia. Talentos que trabalham pelo prazer de produzir conteúdo interessante para o público. E que batalharam muito para chegar no ponto em que está hoje.

Talentos que não são remunerados pelos seus textos e por suas participações nos vídeos e no podcast. Uma equipe que batalhou muito para estar lá na CCXP e divulgar ainda mais o evento.

Mas que simplesmente não foi considerada boa o suficiente para estar lá.

Eu até entenderia se apenas um ou dois fosse credenciados para participação no evento. Afinal de contas, faz sentido que todos tenham uma oportunidade para mostrar o seu trabalho da melhor forma possível.

A organização da CCXP deveria levar em consideração também os veículos menores, que têm um público cativo (ainda que pequeno, comparativamente aos grandes players).

Mas que faz o seu melhor todos os dias.

Eu – enquanto diretor de redação e responsável editorial pelo UBQ – só tenho a lamentar pela maneira como a CCXP trata os pequenos produtores, desprezando talentos que fazem o seu melhor todos os dias para trazer informação de qualidade ao seu público cativo.

Tudo o que gostaríamos é de uma oportunidade… apenas uma. Da mesma forma que muitos grandes nomes de hoje – e que estarão na CCXP com todas as pompas e honras – tiveram quando ainda eram pequenos como nós.

Ok… o UBQ não estará na CCXP. Mas todos nós continuaremos a fazer um UBQ cada vez melhor para nosso público.

Outros artigos do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *