Menu fechado

Rússia 2018 – Resenha da Rodada – 16/06/2018

É mais um dia de jogos na Copa do Mundo 2018. Desta vez uma rodada com quatro jogos. Resultados inesperados e pênaltis desperdiçados. Estão prontos?

E foi somente no terceiro dia que o vídeo-árbitro deu as caras… e em dois jogos. Sua primeira aparição foi no jogo da França contra Austrália e ele voltou a aparecer no jogo entre Peru e Dinamarca. Aliás, foi a tecnologia que garantiu a vitória francesa. Outro momento complicado do dia foram os pênaltis perdidos por Messi e Cueva. Erros que custaram um resultado melhor para seus times.

E entra em campo o árbitro de vídeo

Clique aqui para assistir aos melhores momentos em vídeo, diretamente do site da FIFA

A França chega a esta edição da Copa do Mundo como uma das favoritas pelo caneco. O seu retrospecto recente, aliado a nomes de peso como Griezmann e Pogba e a renovação natural do elenco funcionaram como catalisadores nesta conclusão.

Mas este favoritismo teórico caiu por terra após o início do jogo e principalmente após a marcação australiana começar a funcionar. Uma equipe pouco criativa e sem grandes finalizações. A Austrália em contraste, acreditou que sua força estaria nas jogadas de bola parada. O fato é que o primeiro tempo não trouxe grandes lances e terminou em empate sem gols.

Foi no segundo tempo que este jogo entrou para a história das copas. Aos 54’, Pogba lançou uma bola para Griezmann. O zagueiro Risdom da Austrália deu um carrinho para cortar a jogada a atingiu o jogador francês.

O jogo seguiu, mas na sequência, o árbitro de vídeo foi acionado (o juiz acionou ou ele foi avisado do lance? Não deu para saber). E após a consulta as imagens o juiz uruguaio Andres Cunha marcou o pênalti a favor da França.

O VAR faz sua estreia em Copas do Mundo
O VAR faz sua estreia em Copas do Mundo

Griezmann bateu e convertou o pênalti aos 58’. No placar, França 1-0 sobre a Austrália.

A vantagem francesa não durou muito… aos 61’ de jogo, um novo pênalti aconteceu, desta vez em favor da Austrália. Umtiti ao tentar cortar um lançamento pôs a mão na bola. Mile Jedinak, que foi um jogador muito importante na classificação da Austrália para a copa bateu marcou. França 1-1 Austrália.

O jogo prosseguiu lá e cá, com os times marcando forte, mas criando pouco. E nenhuma grande jogada foi construída até que aos 79’ de jogo, Pogba fez um chute prensado após dividir a bola com o jogador australiano. A bola encobriu o goleiro Ryan, bateu no travessão e pingou para dentro do gol…

Dentro? Fora? Seria uma dúvida grande em outras copas, mas novamente a França recebeu ajuda da tecnologia. Tanto bola como traves contam com sensores de posicionamento que informam ao árbitro em seu relógio se o a bola entrou ou não. Mas honestamente, desta vez não precisaria de sensor nenhum, as imagens da TV foram bem claras… Gol legítimo de Pogba. França 2-1 Austrália.

Não foi um jogo brilhante da França, mas com a vitória, seu favoritismo foi confirmado. Foi um jogo truculento também com quatro cartões amarelos distribuídos em jogo: Leckie, Ridson e Behich pela Austrália e Tolisso, pela França.

A nota histórica do jogo, além é claro do primeiro uso do VAR em um jogo de copa do mundo ficou no banco. O atacante Tim Cahill, veteraníssimo de outras copas ainda tem a possibilidade de igualar uma marca histórica de marcar um gol em todas as copas que participou. Somente Cristiano Ronaldo, Pelé, Klose e Seeler carregam este recorde em seu currículo.

Messi perde pênalti e Argentina não sai de um empate com a Islândia

Clique aqui para assistir aos melhores momentos do jogo diretamente do site da FIFA

Argentina sempre é Argentina. E eu confesso… eu gosto de ver jogos da Argentina na Copa. Eles sempre jogam com garra e além disso têm – na minha opinião – o uniforme mais bonito do que qualquer outra seleção.

E pela carreira de Messi, acho que ele é merecedor de trazer um título para seu país. É provável que esta seja sua última copa em alto nível. Então… esse é o ano do “ou vai ou racha”.

Do outro lado, a Islândia… uma seleção que traz uma geração de jogadores bem interessantes. Ela definitivamente não é uma seleção copeira. Aliás, nunca foi… esta será sua primeira copa do mundo. Apesar de ser novata, ela vem credenciada por vários feitos: classificou-se para a Eurocopa 2016 com uma rodada de antecedência, chegou às quartas-de-final da mesma competição com uma vitória sobre a forte seleção inglesa.

Uma pequena ilha do Atlântico Norte com uma população pouco maior que 300 mil habitantes… mas que veio para essa copa tentar fazer história.

E história foi o que aconteceu neste jogo entre Argentina e Islândia. As equipes jogaram de igual para igual durante todo o primeiro tempo. E que fique claro…. não foi a Argentina que jogou mal… foi a Islândia que jogou muito bem com um forte esquema defensivo, e também algumas subidas ao ataque.

A Argentina até conseguiu boas jogadas no ataque, mas sempre parando nas mãos do bom goleiro Halldorson (aliás, o homem do jogo).

A primeira boa chance de gol foi dos homens da terra do gelo… Aos 11’, um chute de Gundmudsson bateu em Marco Rojo e a bola espirrou para Bjarnoson chutar firme com a bola saindo a esquerda da meta argentina.

O gol argentino veio aos 19’ de jogo: após dominar uma bola lançada por Tagliafico, Aguero se soltou da marcação e marcou seu gol com um chute firme. Argentina 1-0 Islândia.

A Islândia respondeu rápido… chute cruzado espalmado por Caballero com a bola caindo aos pés de Finnbogason que completou para o gol. Argentina 1-1 Islândia.

Pouco depois, Sigurdisson ainda levou perigo para a Argentina, mas Caballero praticou boa defesa. E com o empate, a Islândia passou a se preocupar mais com a marcação, fazendo um verdadeiro ferrolho em sua defesa e dificultando ainda mais para os hermanos que insistiam em jogar pelo meio sem abrir jogadas pelas pontas.

E no segundo tempo, nas poucas chances de gol criadas pela Argentina, lá estava ele: Hallodorson fazendo grandes defesas.

Bom, a sorte da Argentina parece que mudaria com a jogada de Messi para Meza na área que foi derrubado e sofreu pênalti. Todo mundo (eu inclusive) pensou que ali a Argentina selaria sua vitória. Mas o futebol é caprichoso… e nem sempre linear. Messi bateu e a torcida do estádio explodiu com a defesa plástica de Hallodorson. Olhando o vídeo da jogada, acho que o Messi bateu bem, mas o goleiro adivinhou o lado e fez bela defesa.

Fato é que o jogo seguiu bastante truncado com Messi sendo perseguido implacavelmente por até três jogadores islandeses. Com a intensa marcação, ficou difícil para ele criar boas jogadas.

Com isso, o jogo terminou em um empate amargo para os argentinos, mas que teve alguma doçura para o surpreendente time islandês.

A nota ruim para o jogo foi a presença de Maradona… desrespeitando as regras da FIFA que proíbe o consumo de tabaco e derivados em campos de jogos oficiais, ele foi flagrado fumando um charutão.

Um, gênio dentro de campo… um idiota fora dele

Fica o meu comentário… ele pode ter sido um gênio dentro de campo, mas com certeza é um dos maiores idiotas que já vi fora dele.

Pênalti perdido e o Peru perde a oportunidade de vitória

Clique aqui para assistir aos melhores momentos do jogo diretamente do site da FIFA

Havia uma grande expectativa para este jogo por conta do retorno de Paolo Guerrero à seleção peruana. Flagrado por doping, foi suspenso por 1 ano no final de 2017 e com a decisão seria impedido de jogar na copa. Entretanto, um efeito suspensivo garantiu a presença do atacante na seleção.

Para o Peru, é uma grande festa retornar às Copas após 36 anos fora da principal competição. Do outro lado, um futebol não muito tradicional, mas que é baseado no futebol força. A Dinamarca trouxe também o bom goleiro Schmeichel que no final das contas mostrou-se um paredão contra as investidas do ataque peruano.

O Peru jogou melhor, é verdade. Mas não foi capaz de superar a boa marcação da Dinamarca. O fato do atacante Flores não estar com a mira calibrada também ajudou. Tanto é que ele deu lugar a Guerrero aos 64’ de jogo.

E mais uma vez o vídeo árbitro apareceu no jogo. Foi em jogada aos 43’ de jogo. Poulsen e Cueva se enrolaram em jogada, onde o jogador peruano caiu e pediu pênalti. Somente após alguns momentos depois que o árbitro parou o jogo e consultou o VAR. Cabe lembrar (conforme reportagem do site Globo Esporte) que este mesmo árbitro se atrapalhou com a mesma tecnologia durante partida entre México e Nova Zelândia, válida pela Copa das Confederações.

Após a consulta, o árbitro entendeu que a jogada foi faltosa e anotou pênalti contra a Dinamarca. A responsabilidade pela cobrança foi do próprio Cueva que desperdiçou a cobrança isolando a bola num chute que subiu… subiu… subiu…

Cueva desperdiça cobrança de pênalti que poderia ter mudado a história do jogo
Cueva desperdiça cobrança de pênalti que poderia ter mudado a história do jogo

Enfim… o futebol é implacável. E mesmo com o Peru superior taticamente, a Dinamarca subiu ao ataque aos 58’ de jogo, em um lançamento para Poulsen que recebeu em condição legal e bateu na saída do goleiro Gallese. Um belo gol de Poulsen!

Foi só aos 64’ que Guerrero entrou em campo. E ele até protagonizou boas jogadas como a finalização de calcanhar aos 78’ de jogo. Mas não foi suficiente. O Peru não conseguiu transformar seu domínio do jogo em gols e com isso, os dinamarqueses garantiram a primeira vitória neste mundial.

Uma nota triste neste jogo foi a contusão do volante Kvist aos 35’ que teve que sair de maca com suspeita de fratura na costela. No fim do jogo, mais uma vez, sou obrigado a concordar com o comentário do Caio Ribeiro na transmissão do jogo. Quem não faz, toma. E o Peru tomou…

Um jogo sem grande surpresas… e chato

Clique aqui para assistir aos melhores momentos do jogo diretamente do site da FIFA

Este foi um daqueles jogos tradicionais de copa do mundo. Sem grandes surpresas… sem grandes jogadas… sem grandes polêmicas. Um jogo chato.

Croácia tenta voltar aos bons tempos de sua primeira participação em 1998 quando chegou à 3ª colocação da competição, depois de participações apagadas em 2002, 2006 e 2014 quando sequer saiu da fase de grupos.

A Nigéria vem participando regularmente da copa desde 1994, só não obtendo classificação para o mundial de 2006. Em três ocasiões chegou às oitavas-de-final e sempre foi muito badalada com um favoritismo relativo. Sua performance no continente africano sempre a credencia como surpresa para a copa. Mas a expectativa e a realidade sempre têm sido bem diferentes.

No pré-jogo, a Globo destacou a participação do trio de arbitragem brasileiro. Infelizmente, não teve o cuidado de citar com mais ênfase os bandeiras do jogo (Emerson de Carvalho e Marcelo Van Gasse), preferindo apenas destacar a presença do Sandro Meira Ricci em sua segunda copa do mundo.

O jogo foi enfadonho, mas teve seus momentos. Aos 14’ de jogo, Perisic chutou forte mas a bola passou por cima da trave. Aos 32’ escanteio cobrado por Modric. Mandzukic tentou arrematar de cabeça, mas a bola resvalou em Etebo que marcou contra (apesar de Kramaric ter corrido como se ele tivesse marcado o gol). Croácia 1-0 Nigéria.

O mesmo Kramaric tentou marcar aos 39’ com um belo arremate de cabeça que bateu na rede pelo lado de fora, acima da marca do goleiro Uzoho.

Com o início do segundo tempo, Moses chutou sem grandes chances aos 49’. Já aos 55’, Perisic cruzou para Rebic pegar de bate-pronto e chutar para fora.

Aos 69’ de jogo, Modric cobrou escanteio e o zagueiro nigeriano Troost-Ekong agarrou Mandzukic derrubando-o dentro da área. Sandro Meira Ricci não precisou do VAR para assinalar o pênalti, que foi convertido por Modric aos 71’ em uma bela cobrança no canto. Croácia 2-0 Nigéria.

Modric converte pênalti marcardo aos 69' de jogo
Modric converte pênalti marcardo aos 69′ de jogo

E assim, em um jogo ruim, a Croácia garantiu uma vitória confortável que lhe conferiu provisoriamente a liderança de seu grupo.

Análise dos Resultados

Após três dias de jogos, está ficando claro que os favoritos não são tão favoritos assim. No papel, projetou-se uma coisa e na prática isto não está acontecendo. Apesar da França ter garantido sua vitória, foi na base do sufoco.

Já a Argentina empacou no ferrolho islandês. Para sua sorte, parece que nem Croácia ou Nigéria serão bons adversários. Mas é bom esperarmos para conferir. Por fim, o Peru não mostrou que a presença de Guerrero fará a necessária diferença. Com um futebol mais disciplinado, a Dinamarca mostrou ter mais chances de avançar do que a seleção peruana.

Por hoje é só. A gente se vê amanhã, em uma Copa Qualquer!

Deixe seus comentários

Publicado em:Crônicas,Entretenimento,Uma Copa Qualquer

Conheça também...