Menu fechado

Rússia 2018 – Resenha da Rodada – 19/06/2018

E estamos chegando ao final da primeira rodada. Muitas surpresas e a certeza de que favoritismo, só mesmo no papel…

Nenhum time considerado “favorito” está tendo vida fácil. Seja porque o adversário endurece o jogo, seja porque o tal favorito não consegue mostrar isso em campo. O dia de hoje trouxe para nós a primeira expulsão da copa. E pior, em um lance bobo que custou um pênalti para a Colômbia e provavelmente custou também o resultado. Mas não pense que o Japão ganhou por acidente. Soube explorar a maioria em campo e conquistou a vitória por 2-1.

O segundo jogo do dia trouxe Polônia e Senegal… e depois de tantos dias quebrando a cara com os resultados que surgiram, eu deixei de acreditar em algum favorito para este jogo. E a vitória por 2-1 de Senegal confirmou isso para mim.

E o último jogo do dia abriu a segunda rodada da fase de grupos. Não tem como negar que a Rússia viria muito provavelmente embalada pelo bom resultado do primeiro jogo. O Egito ainda queria mostrar serviço, principalmente com o fato de Salah começar jogando. Mas não deu… nem vou dizer que deu a lógica… a lógica está longe de ser considerada nesta copa…

Mas, com lógica ou sem lógica, vamos aos jogos.

Colômbia mete a mão na bola e com isso Japão se vinga por 2014

Começo a ser partidário convicto da história que não existe mais time bobo jogando por aí… Colômbia e Japão fizeram um jogo muito interessante, com direito a expulsão de jogador, goleiro tentando burlar a tecnologia e superação dos times para busca do resultado. Tá difícil de dizer isso nesta copa, mas é fato… gostei deste jogo.

A Colômbia vem com uma geração promissora. Em 2014, fez boa participação na copa do Brasil que já começou nas eliminatórias, quando ficou em 2º atrás somente da Argentina. Na ocasião, venceu muito bem seus três jogos (sendo o Japão derrotado por 4-1 naquela edição) e ainda venceu de forma incontestável o Uruguai por 2-1 nas oitavas-de-final. Caiu para o Brasil nas quartas em um jogo bem parelho (e na minha opinião hoje, contestável).

Para 2018, uma campanha apenas regular nas eliminatórias (ficou em quarto lugar, com 7V-6E-5D) e nos amistosos que precederam a copa, empatou sem gols com Austrália e Egito. Sua equipe conta com bons jogadores que atuam em times importantes: o goleiro Ospina, Cuadrado, Zapata , Arias, James Rodrigues, Falcão Garcia, entre outros.

O Japão por sua vez faz presença desde sua estreia em copas do mundo lá na França em 1998. Apesar de ser presença constante, chegou somente às quartas-de-final por duas vezes e em 2014 amargou uma eliminação na fase de grupos. E como eu disse antes, enfrentou a Colômbia naquela edição. Em 2018, o Japão venceu seu grupo e se classificou com alguma tranquilidade para esta edição. Nos amistosos, perdeu para Gana e Suíça pelo mesmo placar de 2-0 e venceu o Paraguai por 4-2. Seu elenco tem muitos jogadores que atuam na competitiva Bundesliga (nada menos que 7 jogadores).

E o jogo começou muito quente… logo aos 3’, o Japão sobe ao ataque com Osako que chuta a gol e Ospina dá o rebote para nova tentativa de Kagawa. O zagueiro Carlos Sanchez aparou com a mão a bola dentro da área… o juiz não teve dúvidas: pênalti para o Japão e expulsão do jogador colombiano. Esta expulsão entra para a história das copas como sendo a primeira do mundial de 2018 e a segunda mais rápida que já ocorreu. Pênalti batido por Kagawa e convertido em gol… no placar Colômbia 0-1 Japão.

Isso mudou toda e qualquer perspectiva anterior sobre o jogo. Com a expulsão, a Colômbia precisaria recompor sua defesa e ao mesmo tempo continuar ofensiva. Ao Japão, caberia ter serenidade para aproveitar sua superioridade numérica e dominar o jogo para garantir a vitória.

A Colômbia levou um bom tempo para conseguir se recompor. O Japão não levava grande perigo, pois jogava pelo resultado. E aos 39’ conseguiu o empate numa cobrança de falta de Quintero. Lance engraçado, aliás, porque o Quintero jogou por baixo da barreira e o goleiro Kawashima chegou atrasado na bola, tanto é que a bola entrou no gol. Só que aí o Kawashima resolveu ser malandrão e gesticulou muito alegando que a bola não havia entrado.

Kawashima tentou ser malandrão... mas em vão... gol da Colômbia
Kawashima tentou ser malandrão… mas em vão… gol da Colômbia

Com esse gol, a Colômbia chegava ao empate. No placar, Colômbia 1-1 Japão. E com isso chegamos ao final do primeiro tempo.

E para o segundo tempo, parece que a Colômbia cansou. E o Japão mostrou que seu futebol está amadurecendo, pois foi muito bem ao aproveitar sua superioridade numérica em campo. Aos 57’, Inui chutou a gol obrigando Ospina a fazer uma grande defesa.

O lance do gol que deu a vitória ao Japão aconteceu aos 73’ na cobrança de escanteio que foi escorada por Osako que subiu mais do que todos os defensores. Ospina não conseguiu chegar na bola. Colômbia 1-2 Japão. Aos 78’ James Rodrigues levou algum perigo ao gol, mas não conseguiu marcar. Restou ao Japão apenas controlar o jogo até o seu final para faturar importantes pontinhos para sua campanha.

Final de jogo. Colômbia 1-2 Japão. E sinal dos tempos… nem todos os jogadores fizeram a tradicional reverência à torcida. Destaque bonito foi a torcida japonesa ao final do jogo… Da mesma maneira que fizeram em copas passadas, eles colaboraram com a organização do estádio ajudando a coletar o lixo ao final da partida. Sempre uma atitude bacana que demonstra educação e civilidade do povo japonês.

Clique aqui e veja a resenha do jogo em vídeo no canal da FIFA no YouTube.

Mesmo sem futebol brilhante, Senegal supera Polônia

O último jogo da primeira rodada da fase de grupos não foi um grande jogo. Mais uma vez, os times não demonstraram grande qualidade e a vitória senegalesa deu-se mais pelos erros da Polônia do que por seus próprios méritos. Foi a primeira vitória de um time africano nesta edição da copa. Definitivamente não foi um jogo com grandes lances de ambos os lados. Senegal criou pouco e marcou dois gols nos erros da Polônia. E a Polônia, como eu disse antes, errou muito.

A Polônia já não é mais a mesma há muitos anos. Foi-se o tempo de Lato e seus companheiros lá na década de 70, começo da década de 80. Naquela época, a Polônia fez boas participações, conquistando a 3ª colocação nas edições de 1974 e 1982. Sua ultima participação foi em 2006, quando foi eliminada ainda na fase de grupos. Nas eliminatórias para 2018 foi a campeã do seu grupo, com uma boa campanha, sofrendo apenas 1 única derrota (no caso, para a Dinamarca pelo placar de 4-0). E nos amistosos que disputou antes de iniciar a copa empatou pelo placar de 2-2 com o Chile e venceu a Lituânia por 4-0.

É um time sem grandes destaques, à exceção do atacante Robert Lewandovski que atua no Bayern de Munique. A seu favor, conta o fato de ele ser o maior artilheiro de todos os tempos, com 95 gols anotados pela seleção.

Do outro lado, temos Senegal. Será sua segunda participação em copas do mundo. Na primeira vez, em 2002, surpreendeu o mundo ao vencer a então campeã França. Com essa vitória e mais dois empates conseguiu sua classificação para as oitavas-de-final. E mais uma vez surpreendeu ao bater a seleção sueca por 2-1 (na prorrogação). Caiu somente nas quartas-de-final contra a Turquia, quando perdeu pelo placar de 1-0 (também na prorrogação).

Para 2018, conseguiu a classificação depois de uma boa campanha com 6 vitórias e 2 empates. Na verdade, teria sido 5 vitórias, 2 empates e 1 derrota. Mas a partida em questão (derrota para África do Sul por 2-1) foi anulada por conta da punição ao árbitro da partida, que foi acusado de manipular resultados de jogos que apitou. A partida foi disputada novamente e aí Senegal venceu por 2-1. Nos amistosos que disputou antes da copa, perdeu para a Croácia por 2-1 e venceu a Coreia do Sul por 2-0. Seus jogadores atuam principalmente nas ligas inglesa e francesa e o nome mais conhecido talvez seja o de Sadio Mané, que atua no Liverpool.

Após o início do jogo, ficou claro que seria uma partida sem favoritos. A Polônia não levava grandes riscos ao gol de Senegal, e o time africano pouco fazia quando estava no ataque.

Mais um jogo ruim… mas necessário para a Copa.

O primeiro lance digno de nota foi mesmo o gol contra da Polônia. Aos 37’ de jogo, Niang avançou pela esquerda, tocou para Mané (que nem de longe tem o talento do nosso Mané bicampeão) que por sua vez tocou para Gueye. Ele chutou na entrada da área e a bola bateu em Thiago Cionek (que é brasileiro naturalizado polonês), matando o goleiro na jogada. No placar, Polônia 0-1 Senegal.

O jogo prosseguiu sem nenhuma grande jogada até o término do 1º tempo. O segundo tempo começou e aos 50’ uma cobrança de falta de Lewandovski deu trabalho para o goleiro Ndyaie. que executou grande defesa. Aos 60’ outra lambança da defesa da Polônia. Do campo de ataque, Krychowiak recuou para a defesa. A polêmica aconteceu pela entrada em campo de Niang que estava sendo atendido pelo médico fora de campo. Ele aproveitou a bobeada da defesa e a saída de gol totalmente equivocada de Szczesny e com um toque tirou o goleiro da jogada para marcar um gol de oportunidade…  Porque foi muito curioso (e oportuno) observar a repentina recuperação do tornozelo machucado para marcar um golaço.

Após uma recuperação milagrosa de contusão, Niang retorna ao campo em posição duvidosa para marcar seu gol
Após uma recuperação milagrosa de contusão, Niang retorna ao campo em posição duvidosa para marcar seu gol

No placar, Polônia 0-2 Senegal. Então, a Polônia parece ter acordado do seu torpor, porque começou a subir um pouco mais ao ataque. Talvez um pouco tarde demais. Aos 70’ de jogo, Milik recebeu cruzamento e tocou para gol. A bola passou rente à trave. Aos 86’ a cobrança de falta da Polônia e Krychowiak finalizou para o gol com um belo toque de cabeça. Polônia 1-2 Senegal.

Era tarde demais… Senegal controlou o jogo até o final e venceu a partida. Uma partida sem favoritos e que foi vencida nos erros grosseiros da Polônia. Com esse resultado, Senegal se credencia para uma possível classificação. E apesar do jogo ruim, a torcida de Senegal mereceu o destaque do jogo… semelhante ao torcedor japonês, recolheu o lixo produzido durante o jogo, colaborando com a organização do estádio e mostrando respeito e cidadania…

Clique aqui e assista a resenha em vídeo no canal da FIFA no YouTube

Abrindo a segunda rodada, Rússia vence mais uma vez

O mote é bom, então vou aproveitar aqui… Salah foi o último grande jogador a estrear na Copa. E provavelmente será o primeiro eliminado dela. Não sei se é o fator casa, a torcida… mas o fato é que a Rússia vem jogando bem e fazendo belos gols.

Com uma estreia arrasadora sobre a Arábia Saudita, quando venceu por 5-0, os russos vieram a campo com um desfalque: Dzagoev se machucou no primeiro jogo e ficou de fora. Já o Egito precisava de um bom resultado para continuar sonhando nesta copa. Após a derrota para o Uruguai por 1-0, o time ficou na expectativa para a possível estreia de Salah. Os times entraram em campo e a dúvida se Salah iria estrear ou não desapareceu. Não só estreou, como jogou bem. Mas não o suficiente. Cheryshev ganhou uma vaga de titular após boa atuação no primeiro jogo.

O primeiro tempo não começou tão animado. Foram poucas as reais chances de gol. A primeira grande oportunidade surgiu para a Rússia aos 19’. Cheryshev chutou de fora da área e a bola passou por cima do gol. Aos 42’ foi a vez de Salah receber a bola na área e chutar para fora.

O segundo tempo começou com a Rússia marcando seu primeiro gol aos 47’. Zobnin chutou e a bola desviou em Fahti e entrou. Gol contra. Rússia 1-0 Egito. O segundo gol surgiu do cruzamento de Mario Fernandes, com a finalização de Cheryshev que anotou seu terceiro gol na competição. Rússia 2-0 Egito.

O Egito até que criava algumas oportunidades, mas nem Salah ou Trezeguet conseguiam vencer a marcação russa. Aos 62’ de jogo Dzyuba recebe na entrada na área, mata bonito no peito e bate no canto do gol. Bela jogada, belo gol… Rússia 3-0 Egito.

O Egito estava batido, mas ainda assim arriscava. E aos 72’ Salah entrou na área e foi derrubado por Zobnim. Surgiu a dúvida se a falta foi dentro ou fora da área. Entrou em ação o VAR que confirmou o pênalti. Salah bateu e converteu… Rússia 3-1 Egito.

Salah teve o mérito de marcar o gol de honra do Egito
Salah teve o mérito de marcar o gol de honra do Egito

O jogo prosseguiu até o seu final sem grandes lances e terminou assim. Com o resultado, o Egito praticamente foi eliminado. A Rússia em compensação garantiu sua vaga nas oitavas-de-final.

Clique aqui e confira a resenha em vídeo no canal da FIFA no YouTube.

Análise dos Resultados

Chegamos ao final da 1ª rodada. E com isso começamos a delinear quem tem chances de chegar à próxima fase.

Definitivamente não é uma copa para favoritos. Na verdade, não temos mais esta visão do favorito.  Com táticas defensivas, os times de menos expressão têm surpreendido os grandes. Isso nos tira aqueles jogos com muitos gols, e nos trazem um futebol mais tático.

Não sei dizer se isso é bom ou ruim para o esporte.

Outro destaque vai para a tecnologia. Até o momento o VAR tem sido um grande aliado da boa arbitragem. Mas, não tem VAR que ajude árbitros notadamente ruins. Isso também é um fato.

Então por hoje é só e nos vemos amanhã, em Uma Copa Qualquer!

Deixe seus comentários

Publicado em:Crônicas,Entretenimento,Uma Copa Qualquer

Conheça também...