Menu fechado

Rússia 2018 – Resenha da Rodada – 21/06/2018

Uma Copa Europa está se configurando para as oitavas-de-final… tudo bem que o Uruguai já está lá como intruso, mas é incrível como os times sul-americanos estão sofrendo nesta copa. Peru eliminado… Argentina não depende mais de si para se classificar. O que espera o Brasil que só empatou? O que espera a Colômbia que foi derrotada? Por enquanto, só mesmo o Uruguai está garantido… mas mesmo assim com resultados apenas regulares.

A Austrália se manteve viva com o empate e pode vir a brilhar. Dinamarca encaminhou muito bem sua classificação… pelo menos depende apenas de si. França e Croácia se garantiram para continuar na festa. Mas vamos entender esta história através dos jogos…

Austrália luta para ser grande um dia

A Dinamarca fez o suficiente para vencer o primeiro jogo contra o Peru. A magra vitória por 1-0 colocou areia nos planos da seleção sul-americana e trouxe alguma esperança para o time nórdico voltar aos bons tempos da “Dinamáquina” (que nem era tão máquina assim). Em relação ao time de estreia, Shöne entrou no lugar de Eriksen como titular, mas a equipe manteve a mesma formação tática (4-3-3). Thomas Delaney e Yurary Polsen entram pendurados com 1 cartão amarelo.

Desde que a Austrália deslocou sua área de classificação para a região da Ásia, seu futebol tem sofrido alguma evolução. Ainda não é o suficiente para impressionar. Mas já chama a atenção. A derrota para a França não causou mudanças na base do time, que jogou com os mesmos jogadores da estreia. Mas convém lembrar que Mathew Leckie, Aziz Behich e Joshua Risdon entram em campo pendurados com cartão amarelo. Este pode ser considerado o grupo em que o árbitro principal tem sido o VAR, pois com este jogo já são 3 os pênaltis marcados com a ajuda do árbitro de vídeo. Mas antes do pênalti ter acontecido, algumas outras coisas vieram.

A Dinamarca marcou seu gol logo aos 6’ de jogo. Em uma saída complicada da Austrália, os dinamarqueses tomaram a bola com Jorgensen que tocou para Eriksen completar a gol. Dinamarca 1-0 Austrália. O gol serviu para duas coisas… a primeira foi a Dinamarca meio que se acomodar com o resultado. A segunda foi que, com essa acomodação, a Austrália começou a dominar o meio campo e o jogo. Mesmo assim, a Dinamarca ainda teve boa chance para marcar aos 24’ com cruzamento de Dalsgaard para Jorgensen que cabeceou para fora.

Aos 36’ de jogo veio a jogada polêmica: cobrança de escanteio pela Austrália, e no cabeceio de Leckie veio o toque de mão de Poulsen. A imagem do replay não deixa dúvida. O jogo seguiu por alguns instantes, mas então o árbitro parou o jogo para consultar  o VAR. Identificada a infração, foi marcado o pênalti e Poulsen levou cartão amarelo. Como ele estava pendurado com 1 cartão, é desfalque certo para a próxima partida da equipe. Coube a Jedinak cobrar e converter aos 38’. Dinamarca 1-1 Austrália.

Em cobrança de escanteio, Poulsen põe a mão na bola e após consulta ao VAR, pênalti é marcado
Em cobrança de escanteio, Poulsen põe a mão na bola e após consulta ao VAR, pênalti é marcado

Aos 40’ a Dinamarca ainda teve uma chance com chute rasteiro de Eriksen que Sainsbury quase marcou contra. Mas foi só. O primeiro tempo terminou e a partir daí, mudou-se definitivamente o protagonismo do jogo. A Dinamarca recuou e a Austrália foi em busca do resultado.

No segundo tempo, foi a Austrália que criou mais oportunidades. E a primeira que levou risco ao gol de Schmeichel foi aos 72’, quando Rogic chutou firme na entrada da área, obrigando o goleiro a fazer boa defesa. Logo na sequência foi a vez da Dinamarca chutar a gol perigosamente na jogada de Sisto. A bola entretanto passou ao lado da trave esquerda do goleiro e foi para fora.

Aos 73’ de jogo, a Austrália sofre uma baixa importante. Nabbout disputou bola com Larsen e se machucou. Teve que ser substituído em razão do ombro deslocado. Apesar de subir bastante ao ataque, a Austrália não finalizava bem. E faltou alguma qualidade de jogo para concretizar a vantagem tática em gols. O time australiano ainda teve boa chance aos 83’ com chutes de Arzani e Leckie, mas com boas defesas de Schmeichel.

E assim, o jogo chegou ao seu final, sem vencedores. E fica aqui o registro… A Austrália ainda tem um futebol de qualidade inferior, comparando-se aos times tradicionais. Mas está ganhando técnica. Está se tornando um bom time. E em futuras copas, pode vir a surpreender se fizerem um bom trabalho de base.

A Dinamarca está aos poucos se garantindo na competição. Mas não mostra um futebol que empolga. Não é sombra do que foi a Dinamáquina da década de 80. Que afinal de contas, nem foi tão longe assim na copa.

Um destaque feio para a organização da copa… Lembra quando fizeram um salseiro (e eu concordei inclusive) quando flagraram o Maradona fumando charuto na estreia da Argentina? Pois é… na comemoração do gol dinamarquês, a câmera flagrou um torcedor fumando nas arquibancadas… E aí Produção? Como fica? Um peso e duas medidas mesmo?

Clique aqui e confira a resenha em vídeo no canal da FIFA no YouTube.

Peru decepciona e sai precocemente da disputa

A França viria mais uma vez credenciada como favorita. Após a vitória por 2-1 sobre a Austrália, mas sem grande brilho; a equipe comandada por Didier Deschamps preferiu um esquema tático menos ofensivo e mais voltado para a marcação, jogando com dois volantes, recuando Pogba e Kante, sacando Tolisso e Dembele do time para a entrada de Matuidi e Giroud.

Perder para a França, não seria algo inesperado, isso eu tenho que admitir. Mas, considerando que o Peru desperdiçou a chance de um bom resultado contra a Dinamarca na primeira rodada, seria fundamental uma boa atuação neste jogo. Talvez por isso que Ricardo Gareca tenha mexido no time. Além é claro da entrada óbvia de Guerrero desde o início do jogo (no lugar de Farfan), ele sacou Tapia (que teve cartão amarelo no primeiro jogo) do time para a entrada de Aquino.

A França começou dominando o jogo. Acho que o plano era manter a bola no campo de ataque para não permitir que o Peru marcasse a saída de bola. Aos 12’, Pogba chutou forte para o gol, mas a bola saiu de campo à esquerda da meta de Gallese. Aos 14’ cobrança de escanteio para a França com Varane cabeceando para fora. Aos 16’ de jogo, nova chance para os Franceses. Varane fez o lançamento para a área, Giroud escorou de cabeça para um forte chute de Griezmann. O goleiro Gallese fez boa defesa. Aos 31’ foi a vez do Peru subir ao ataque. Cueva subiu pela esquerda, cortou o defensor e cruzou para Guerrero chutar forte. Desta vez foi LLoris que praticou boa defesa.

A França continuou dominando o jogo criando boas oportunidades. M’Bappe recebeu a bola na área aos 33’ e tempo dar um toque curto de calcanhar para o gol, mas Gallese mais uma vez estava bem colocado. O gol francês veio logo em seguida, aos 34’. Pogba roubou a bola de Guerrero na intermediária, e tocou para Giroud tentar um chute de primeira. A bola bateu no defensor e subiu tirando o goleiro da jogada. M’bappe bem colocado apenas tocou para marcar França 1-0 Peru.

Após chute de Giroud deslocado pelo zagueiro, M'Bappé pegou a sobra e marcou o gol da França
Após chute de Giroud deslocado pelo zagueiro, M’Bappé pegou a sobra e marcou o gol da França

A França subia fácil e o Peru deixava muito espaço na marcação. E aos 43’, M’bappe recebeu pela direita, deu belo passe para Kante que rolou a bola para o chute forte de Hernandez. O goleiro fez a defesa, mas a bola espalmada bateu no peito de Griezmann e voltou para Hernandez, que ainda conseguiu chutar mais uma vez. Sem grande efeito desta vez.

Veio o segundo tempo e a França caiu de produção. Seria o momento para o Peru crescer em jogo e buscar ao menos o empate, já que perder significaria desclassificação precoce. E quando o assunto é Peru, “precoce” nunca é algo bom. Aos 50’, uma bomba de fora da área disparada por Aquino explodiu na trave.

Aos 60’ foi a vez de Carrillo chutar, mas desta vez a bola passou por cima do gol. Foi o mesmo caminho que a bola seguiu aos 67’ após chute de Advíncula de fora da área. E aos 73’, Farfan (que entrou no lugar de Yotun) acerta a rede pelo lado de fora. Ao final de jogo, a constatação… o Peru não jogo melhor… jogou afobado. Não conseguiu em nenhum momento dominar o jogo e quer saber? Acho que a culpa foi em grande parte do técnico Ricardo Gareca que adotou uma estratégia ruim e só mandou o time para o ataque quando tudo estava perdido…

Fim de jogo: França 1-0 Peru. A França se garantiu para a fase seguinte… Já o Peru… garantiu desconto no valor da hospedagem no hotel… Fim de copa para o Peru… a vida segue. Eu já ia me esquecendo de um lance do VAR… em uma confusão do juiz de campo Mohammed Abdulla, um cartão amarelo foi mostrado para o meia Flores em razão de uma falta. Ocorre que a falta foi feita pelo volante Aquino. Após consulta ao VAR, o juiz percebeu seu erro e corrigiu a marcação.

Clique aqui e confira a resenha em vídeo no canal da FIFA do YouTube.

Argentina decepciona e afunda nos seus próprios erros

Ok… sou obrigado a admitir que eu ouvi antes desta copa começar que a Argentina possivelmente teria problemas. O que eu não consigo entender é como o time entrou em campo tão desorganizado e acuado. Após um empate em 1-1, o técnico Jorge Sampaoli resolveu fazer mudanças no esquema tático. Saiu de um 4-4-2 para um 3-4-3. No papel, uma equipe mais ofensiva, com o avanço de Meza e Messi para formar um forte trio de ataque com Aguero. Biglia deu lugar à Perez e Di Maria (que jogou mal na estreia) foi sacado para a entrada de Acuña.

A Croácia vem de boa vitória por 2-0 contra a Nigéria (afinal, apesar do jogo chato… o que importa para a tabela é o resultado, não é?). Pensando em uma Argentina ofensiva que precisava do resultado, o técnico Dalic Zlatko armou o time com uma única mudança: Kramaric sai, dando lugar a Brozovic (que já havia entrado durante a primeira partida). Entram em jogo pendurados com 1 cartão amarelo os volantes Rakitic e Brozovic. E aliás, foi um jogo bem recheado de faltas e cartões… 38 faltas cometidas (15 da Argentina e 23 da Croácia) e 7 cartões amarelos (3-4). Ah sim! Antes de começarmos, vale lembrar… o Maradona estava lá. Desta vez, sem o charuto.

O jogo começa com uma chance desperdiçada pela Croácia aos 4’. Perisic recebeu bola livre de marcação pela esquerda, chutou cruzado, obrigando o goleiro Croata a fazer bela defesa. Aos 9’, um lançamento para Rakitic que tentou passe para Perisic, cortado por Tagliafico. Neste ponto do jogo, uma coisa estava clara… Messi seria perseguido implacavelmente. E como o técnico croata previu, a Argentina pressionava no ataque.

Aos 25’ nova chance para Argentina, Aguero invade a área pela esquerda e tentou o cruzamento para o meio. Atento, Strinic corta para escanteio. Uma boa chance de gol para Argentina veio aos 29’. A zaga croata vacilou e Perez pegou a sobra com o gol aberto. Entretanto, ele chuta para fora. É incrível ver como o ataque argentino não se entende. Aos 32’, Mandzukic cabeceia livre de marcação, mas  a bola sai a direita de Caballero.

Já nos acréscimos, o croata Rebic recebe passe de Modric na entrada da área e solta um balaço. A bola sobe e passa longe da meta de Caballero. E com isso chegamos ao final do 1º tempo. Empate sem gols. E o relógio contra a Argentina. E contra Messi.

Começou o segundo tempo e aos 52’, Aguero recebeu dentro da área e bateu cruzado, mas o goleiro defendeu com firmeza. Na sequência, a Croacia sobe ao ataque sem muita objetividade, mas eis que o zagueiro Mercado argentino recuou a bola para Caballero que se atrapalhou e pegou mal na bola numa falha horrorosa. Rebic aproveitou o erro, e bateu em voleio para marcar um golaço. Argentina 0-1 Croácia.

Foi o começo da queda do time de Messi. E este foi o momento que eu acho que o Sanpaoli perdeu a mão do time. Logo após o gol, fez substituições tirando Aguero para a entrada de Higuain e promovendo a entrada de Pavón no lugar de Salvio. Apesar do revés e das substituições equivocadas (e que fique claro: na minha opinião…), a Argentina fez jogada perigosa aos 63’ com boa troca de passes  entre Higuaín e Meza, que chutou para a defesa de Subasic. No rebote, o camisa 13 ajeita para Messi, mas, antes dele, Rakitic tirou para a Croácia.

A Cróacia não recuou e continuou criando boas oportunidades. Aos 65’, Vrsaljko recebeu dentro da área e tocou para Mandzukic. Ele finalizou rente à trave esquerda de Caballero. A Argentina criava algum risco, mas não concluía satisfatoriamente. E quando as coisas já estavam ruins, pioraram ainda mais. Aos 80’, Modric se livra da marcação de Otamendi e chuta fora da área, sem chances para Caballero. Gol da Croácia… Argentina 0-2 Croácia.

A situação já era desesperadora. E nada que Sanpaoli fazia funcionava. nem Messi parecia acreditar no que estava acontecendo.

Croácia vencia com certa facilidade a Argentina e Messi parecia não acreditar nisso
Croácia vencia com certa facilidade a Argentina e Messi parecia não acreditar nisso

A Croácia jogava melhor a esta altura do jogo. O terceiro gol serviu para coroar a boa apresentação do time. Aos 90’, surge um contra-ataque mortal, Rakitic finalizou de fora da área e Caballero defendeu. Na sobra, Kovacic deixa Rakitic de frente para o gol e ele só tem o trabalho de empurrar para o fundo da rede. Belo gol. Argentina 0-3 Croácia.

O juiz ainda deu quatro minutos de acréscimo. Mas isso não mudaria o destino do jogo. Fim de jogo… Argentina agora não dependerá mais de si para continuar na competição. Argentina 0-3 Croácia. Vitória indiscutível. Muitos favoritos antes da bola rolar… poucos estão confirmando isso em campo.

Clique aqui e confira a resenha em vídeo no canal da FIFA no YouTube.

Análise dos Resultados

A França agora chega para a última rodada bem tranquila. A Dinamarca encaminhou bem sua possível classificação, mas fica minha torcida pelos simpáticos Soccergooroos da Austrália. E a Argentina? Bom… resultado pra lá de inesperado… mas inesperado até o começo do jogo. Depois que a bola rolou… bom… deu a lógica. Por hoje é só… amanhã temos mais, em Uma Copa Qualquer!

Deixe seus comentários

Publicado em:Crônicas,Entretenimento,Uma Copa Qualquer

Conheça também...