Menu fechado

Rússia 2018 – Resenha da Rodada – 24/06/2018

Uma goleada anunciada, um empate empolgante com grandes falhas dos goleiros e por fim, o jogo dos desesperados. Assim foi a rodada de hoje. A Inglaterra não teve dificuldades para vencer o frágil Panamá por um placar bem dilatado. O estreante em copas, que na primeira rodada até apresentou um bom futebol hoje jogou pouco e não deu grande trabalho para o time britânico. Ainda assim, conseguiu no final do jogo, marcar o consagrado “gol de honra”.

No segundo jogo do dia, o Japão esteve atrás no placar por duas vezes. E buscou o empate duas vezes. Por ser o time com menos cartões amarelos, nos critérios de desempate, termina a rodada liderando o grupo e com grandes chances de classificação. Senegal também vai bem obrigado… e parece que será o único representante do continente africano nas oitavas-de-final. Se conseguir passar.

E o terceiro jogo do dia foi literalmente o jogos dos desesperados. Por conta dos resultados anteriores, a derrota hoje significaria para Polônia ou Colômbia a desclassificação precoce. No final, prevaleceu o futebol da Colômbia que soube controlar os nervos e ganhar o jogo. E ganhou bonito… Mas vamos aos jogos daquele que foi o último dia da segunda rodada.

Toda copa tem um jogo assim

É um clássico em copas do mundo… um time fraco entra em campo e sofre uma sacolada de gols de um time que tem alguma qualidade técnica. A história nos mostra grandes sacoladas seguindo esta mesma lógica (time fraco + time bom). Foi assim em 1954 com a Hungria (quando tinha um time forte) vencendo a Coreia do Sul por 9-0, ou em 1974, quando a Iugoslávia venceu o Zaire por 9-0, ou então em 1982, quando a Hungria triturou El Salvador por 10-1. Podemos ainda lembrar a vitória da Argentina por 5-0 sobre a Jamaica em 1998, a vitória Alemã sobre a Arábia Saudita por 8-0 em 2002 e porque não, a sacolada de 7-1 da Alemanha sobre o Brasil em 2014.

O fato é que Inglaterra e Panamá fizeram um jogo sem grandes expectativas. O que tivemos foi um jogo onde a Inglaterra desde o começo impôs o seu padrão de jogo e o Panamá simplesmente aceitou. Não houve combate. Não houve o “lá e cá”. Talvez por isso tenha sido um jogo chato, apesar do placar dilatado. Lembre-se que nem sempre gols se traduzem em um bom jogo.

Indiscutível dizer que a Inglaterra mereceu a vitória. Jogou de forma aplicada e fez os gols necessário. Mas venceu um adversário combalido que não ofereceu nenhuma resistência. Será que ela conseguirá repetir o feito contra uma Bélgica, por exemplo? Só lembrando… das goleadas que eu citei anteriormente, somente a de 2014 levou o time vencedor à grande final. Golear, não é necessariamente sinônimo de ser campeão.

A Inglaterra veio a campo com somente uma alteração em relação ao time de estreia: Loftus-Cheek no lugar de Dele. Walker entrou pendurado no jogo com 1 cartão amarelo. O Panamá veio exatamente com o mesmo time da estreia e uma porção de jogadores pendurados com 1 cartão amarelo: Murillo, Barcenas, Cooper, Davis e Godoy.

Bom, vamos ao massa… hmm… quero dizer… jogo. Aos 8’, Kieran Trippier cobra escanteio da direita, zagueiro Stones desvia de cabeça e abre a contagem. Inglaterra 1-0 Panamá. O Panamá não tem recursos técnicos para dominar a bola, então tenta segurar a Inglaterra com faltas. Logo aos 10’, Cooper leva cartão amarelo e desfalcará o time na rodada final. Aos 20’, pênalti marcado para a Inglaterra. Atacante Harry Kane bate o pênalti firme no canto e aumenta o marcador. Inglaterra 2-0 Panamá.

A Inglaterra jogava fácil e mantinha o controle de bola. Aos 36’ Jesse Lingard acerta lindo chute da boca da área e marca. Inglaterra 3-0 Panamá. Eu disse que o Panamá estava agressivo? Disse… mas é a Inglaterra que cometeu mais faltas até este momento. 6-4. Aos 40’ nova jogada de gol. O zagueiro Stones aproveita rebote, desvia outra de cabeça e faz seu gol. Inglaterra 4-0. Aos 42’, mais um pênalti para os Ingleses. Stones é agarrado dentro da área. Kane faz a cobrança e marca. Inglaterra 5-0. E com três minutos de acréscimo, para alívio do Panamá, o juiz encerra o primeiro tempo. Vale a brincadeira… vira 5, acaba em 10.

Mas não foi o que aconteceu… com a vitória assegurada, a Inglaterra passou a cadenciar mais o jogo e se preservar para a última rodada. Sendo assim, soou mais como um jogo treino do que um jogo de copa do mundo. Apesar disso, ainda marcou mais um gol… Loftus-Cheek chuta de longe, a bola desvia em Kane e engana o goleiro Penedo. Mérito de Loftus-Cheek, mas gol anotado de Kane, que assume a artilharia do campeonato.

No placar, 6-0 para os ingleses que nem comemoraram tanto assim o último gol de Kane que depois saiu de campo ovacionado. O jogo prossegue sem grandes emoções e aos 34’, o Panamá marca o famoso “gol de honra”. Baloy desvia de carrinho falta cobrada na área e desconta. Não haverá reação, mas é bonito ver a torcida panamenha reconhecendo o esforço da equipe. Eles comemoraram como se fosse a conquista do título da copa. Bacana! Baloy irá se aposentar após a copa, então é compreensível sua emoção ao marcar seu gol na copa. Coisa bonita mesmo de se ver…

Baloy comemora o gol de honra do Panamá
Baloy comemora o gol de honra do Panamá

O jogo terminou assim… Inglaterra 6-1 Panamá. Outra cena bacana deste jogo ocorreu antes mesmo do seu início. O goleiro Penedo recebe o carinho de uma fã-mirim que chora copiosamente por estar com um ídolo. Só o futebol proporciona coisas assim…

Clique aqui para conferir a resenha em vídeo no canal da FIFA no YouTube.

Buscando a vitória até o final. Japão empata com Senegal

Tenho que reconhecer… o Japão lutou muito pelo resultado. Soube trabalhar com o resultado negativo por duas vezes e ao final, o empate foi um gosto de vitória de um time que lutou até o final. Um jogo que os goleiros Kawashima (aquele que queria enganar o sistema eletrônico da FIFA) e N’Diaye vacilaram e estes vacilos deram origens a gols das equipes.

Ao final, Japão é líder do seu grupo. O fato de ser uma equipe mais disciplinada (menos cartões, portanto) deixa ela como líder nos critérios de desempate. Senegal segue em segundo. O Japão ganhou da Colômbia no jogo de estreia por 2-0 e vem para esse jogo com o mesmo time da estreia e somente com o goleiro pendurado com cartão amarelo.

A equipe de Senegal vem de boa vitória sobre a Polônia e pensando na liderança do grupo vem com uma equipe mais ofensiva. Avançou Mane e Ismaila para o ataque e tirou Diouf do time, compondo o meio campo com Gana, Alfred Ndiaye e Pape Ndiaye (e não… não são irmãos). Na defesa, nenhuma mudança. Gana e Sane entram pendurados por 1 cartão amarelo.

O jogo começa com os times fazendo jogadas sem grande perigo a gol. A primeira boa jogada acabou resultando em gol e foi só aos 11’. Após rebote do goleiro, atacante Sadio Mané mostrou oportunismo e abriu a contagem. Japão 0-1 Senegal. O gol aconteceu na falha do goleiro Kawashima. O gol japonês veio aos 34’. Nagatomo toca para Takashi Inui, que bateu colocado e empatou o placar. Japão 1-1 Senegal. O jogo segue parelho entre os times que se alternam no ataque. O primeiro tempo termina em empate por 1-1.

Na falha do goleiro japonês, a seleção de Senegal marca seu primeiro gol sobre o Japão
Na falha do goleiro japonês, a seleção de Senegal marca seu primeiro gol sobre o Japão

Com o começo do segundo tempo, Senegal voltou a dominar o jogo e criar boas chances. Aos 51’, Mané rola, Pape Ndiaye arremata e manda a bola direto pela linha de fundo. Aos 54’, uma nova tentativa de Niang e o goleiro japonês Kawashima defende sem dar rebote. Aos 60’ de jogo, Shinji Kagawa trabalha rápido com Osako, que arremata do bico da área e não acerta o gol. Aos 71’ o Senegal chega ao seu segundo gol. Sabaly cria jogada e bate rasteiro para o meio da área, Niang desvia e Wagué chuta forte para colocar os senegaleses na frente mais uma vez. Japão 1-2 Senegal.

O Japão passa a buscar incessantemente o gol de empate. E ele vem aos 78’. Senegal joga mais recuado, tentando garantir a vitória. Mas após vacilo do goleiro senegalês, Honda recebe cruzamento, completa livre de marcação e empata o marcador novamente. Japão 2-2 Senegal.

Kawashima ainda pôde se redimir com uma bela defesa aos 83’, quando esteve cara a cara com Niang. O jogo ainda contou com 4’ de acréscimos, mas o empate persistiu no placar. Um empate com gosto de vitória para o Japão que não se entregou em nenhum momento do jogo. Um empate com gosto de derrota para Senegal, que não soube se proteger quando esteve em vantagem no jogo. Um destaque deste jogo é o fato de que Wagué foi o jogador africano mais jovem a marcar gol em copa do mundo. Ele tem hoje 19 anos e 8 meses.

Clique aqui e confira a resenha em vídeo no canal da FIFA no YouTube.

Finalmente Falcão Garcia faz história na Copa

A Colômbia jogou… e jogou bonito. Este jogo começou como o “jogo dos desesperados”, mas com o passar do tempo, ficou claro que o desespero só estava de um lado. O lado polonês. A vitória do time colombiano traz algum alívio para evitar uma oitavas-de-final excessivamente europeia, mostrando que a escola sul-americana pode fazer bonito na terra dos czares.

A Polônia foi vítima de seus próprios erros. Tendo assumindo uma boa classificação no ranking da FIFA, evitou jogos para se garantir como cabeça de chave e talvez isto tenha custado o entrosamento e preparação do time. Lewandovski não foi sombra do jogador que é no Bayern.

Já a Colômbia faz história. Falcão Garcia, maior goleador da Colômbia de todos os tempos, finalmente faz um gol em copa do mundo. Era uma mácula em sua carreira. Grande destaque para Cuadrado e Mina que marcaram gols, além de James Rodriguez que apoiou muito o ataque e só ficou mesmo devendo o seu gol para a torcida. Com a obrigação de vencer, a Polônia apostou em uma formação ofensiva, com três jogadores no ataque. Sacou Cionek do time e colocou em seu lugar Bednarek. No meio campo, Milik e Blaszczykowski dão lugar a Bereszynki e Goralski. Zielinski avançou para o ataque e Kowinacki entrou no lugar de Grosicki. Um time bem modificado. Krychowiak entrou pendurado com cartão amarelo.

A Colômbia veio com um time bem ofensivo também. Carlos Sanchez (suspenso pelo cartão vermelho do primeiro jogo) foi substituído por Barrios. Murillo deu lugar a Mina e Lerma saiu para a entrada de Aguilar. Lá na frente, Isquierdo saiu para que James Rodriguez começasse jogando.

O jogo começou como previsto. Desesperados pela vitória, os times aceleraram desde o início. Mas a afobação não resultava em grandes jogadas. A partir dos 20 minutos de jogo, deu para perceber que a Colômbia ficava mais tranquila a medida que dominava mais o controle da bola, enquanto que a Polônia errava passes e não conseguia ser objetiva.

Aos 37’, Cuadrado fez linda jogada pela direita e entrou na área driblando os marcadores. Tentou finalizar, mas parou na defesa do goleiro. Bela jogada. Aos 40’, o primeiro gol da Colômbia. Na cobrança de escanteio, bola curta para James Rodríguez, o meia coloca na cabeça de Mina que desvia antes de Szczesny para abrir o placar. Polônia 0-1 Colômbia.

James Rodriguez cobra escanteio e Mina acerta cabeçada para abrir o placar
James Rodriguez cobra escanteio e Mina acerta cabeçada para abrir o placar

Lewandovski até tenta buscar o jogo na intermediária, mas sozinho, não há muito o que fazer… O primeiro tempo termina com a vantagem parcial para a Colômbia. E agora, parece que o desespero pendeu apenas para o lado polonês. O começo do segundo tempo deixou claro quem está no comando do jogo. A melhor jogada da Polônia veio aos 59’, quando um lançamento longo deixou Lewandovski frente a frente com o goleiro, mas Ospina acabou fazendo grande defesa.

O segundo gol da Colômbia veio aos 70’. Quintero enfia linda bola entre a zaga para Falcao García, o atacante toca na saída do goleiro e amplia. Primeiro gol de Falcão Garcia em copas. Polônia 0-2 Colômbia. A Polônia não cria jogadas e é presa fácil da Colômbia que aos 75’ em um contra-ataque fulminante, amplia o placar. James Rodríguez descola um lindo passe pelo meio para Cuadrado, o meia invade a área e bate no canto direito para fazer o terceiro. Polônia 0-3 Colômbia. Consagração de Cuadrado que – parafraseando as piadinhas da internet – jogou redondo.

A Polônia ainda poderia ter feito seu gol de honra aos 88’, com um chute de fora da área. Lewandowski busca o jogo da entrada da área e solta a bomba de destra, Ospina espalma e cede o escanteio. Mas já era tarde… o jogo terminou e a Copa para a Polônia também. Com a derrota por 3-0 está eliminada da competição e irá cumprir tabela na última rodada. Para a Colômbia, a esperança de classificação está viva, pois agora só depende de si. Para mim, o melhor jogo da rodada de hoje.

Clique aqui e confira a resenha em vídeo no canal da FIFA no YouTube.

 Análise dos Resultados

O dia de hoje encerrou a segunda rodada da fase de grupos. Alguns times já estão classificados, outros eliminados. Para hoje, temos uma Inglaterra que vem ganhando, mas precisa ainda mostrar seu valor com uma vitória sobre algum time de expressão. O Japão fez bonito e depende apenas de si para prosseguir. Joga contra a eliminada Polônia. Então tem chance de fazer bonito. E a Colômbia mostrou que pode ir longe. Acho que vence o Senegal.

Estamos chegando na metade da diversão. Por hoje é só… amanhã tem mais Uma Copa Qualquer!

Deixe seus comentários

Publicado em:Crônicas,Entretenimento,Sem categoria,Uma Copa Qualquer

Conheça também...