Menu fechado

Em busca de alternativas

Uma lição que a maioria das pessoas aprendem em vida é que – justamente na vida – nem sempre tudo acontece como a gente planeja. Por mais que façamos planejamentos, previsão de possíveis contratempos, predição de erros, sempre surge alguma variável que não estava na equação. A organização do UBQ não foge a esta regra. E é por isso mesmo que estamos aqui… em busca de alternativas.

Um projeto chamado UBQ

Quem nos acompanha, sabe que o UBQ começou como um projeto pessoal. Uma forma de buscar a divulgação de ideias e opiniões. Não era a pretensão desta besta que vos escreve ter uma produção de conteúdo como é o UBQ hoje.

Comecei com um blog pessoal que era um anexo de um site de informações técnicas sobre informática. Com o tempo, o formato do blog começou a me cativar e aos poucos percebi que eu dedicava mais tempo atualizando o blog do que a página. Com isso, em 2011 o site deixou de existir e passei a me dedicar exclusivamente ao blog.

Um blog sem nome, até que em 2012, graças a uma postagem que fiz, ganhou seu nome: Um Blog Qualquer… a ideia tomou forma e o UBQ ganhou pluralidade. Deixou de ser o blog de opinião do Ricardo Marques e passou a ser um blog de opiniões de várias pessoas… Primeiro foi o Carlos Aros (Hoje jornalista da Rádio Jovem Pan) e em seguida veio o Júnior Ferreira e o Michel Matias Vieira. Coube ao Michel criar a alcunha carinhosa “UBQ”.

Um “bloguinho” de opinião

Como um trio, éramos um bloguinho de opinião… o Júnior postava suas resenhas, o Michel suas crônicas de opinião e textos literários e eu publicava um pouco de tudo. Textos literários, Desabafos pessoais, Artigos técnicos.

Uma miscelânea de conteúdos… não tínhamos uma periodicidade específica ou regularidade nas publicações. Publicávamos conforme nossa disponibilidade e conforme nossa criatividade. E íamos bem… não era um sucesso de audiência, mas íamos bem. Fazer o UBQ era algo que nos dava imenso prazer. Era algo feito com compromisso tão somente com nosso desejo criativo.

Outras mídias… os vídeos e o podcast e mais colaboradores

Aí, veio um canal de vídeos… seguia a mesma linha inicial do UBQ… publicações esporádicas, assuntos aleatórios que se relacionavam com meus interesses (e digo meus, porque até então, eu mesmo fazia a curadoria). Funcionava também…

Então veio o podcast… primeiro em um projeto separado com os amigos Carlos Aros e Miguel Forlin (podcast Podástico). Eu já amava o formato e amei mais ainda criar podcasts. Em paralelo, chegou por aqui o Paulo Henrique Vizza . O UBQ falava sobre vida cotidiana, tecnologia, cultura, cinema, jogos eletrônicos… Para mim, estava cada vez mais claro que o UBQ não era mais somente um “Blog”. Criávamos conteúdo suficiente para um portal de conteúdos.

O projeto do Podástico minguou e surgiu um Podcast Um Papo Qualquer. Algo pessoal feito (confesso) por um pouco de dor de cotovelo e pelo fato de que eu queria continuar de qualquer jeito a fazer um podcast. Curiosamente ele vingou…

Do projeto ideal à vida real

Em meio a tudo isso, eu via o UBQ crescendo… um crescimento que me deu uma ideia… tornar o UBQ um portal de conteúdos com relevância na mídia… algo que Omelete, Tecnoblog, Tecmundo, CanalTech, Voxel, Jovem Nerd e outros veículos fazem com bom retorno.

Sim… admito que o UBQ cada vez mais entrava na minha vida como uma opção de vida. Ser o meu meio de vida. Queria ganhar a vida com o UBQ, correr atrás do sonho de ser um jornalista responsável por um veículo de mídia. Não um portal de notícias em tempo real, mas um portal de conteúdos opinativos e formativos.

E os meninos que compuseram o que chamamos de Redação UBQ foram sensacionais em abraçar a ideia e apoiar tudo isso.. E o mais legal (que me faz chorar quando penso nisso)… sem pedir nada em troca.

Aí tive a ideia (talvez a ideia errada) de transformar o UBQ em uma verdadeira redação… com editores e redatores. E para isso funcionar, um mínimo de profissionalismo deveria ser adotado… prazos, formatos e outras características inerentes a um projeto desses.

Decisões erradas, resultados ruins

Mas faltou (muito) profissionalismo da minha parte… eu não soube aproveitar as boas chances, não soube organizar e dividir as tarefas e funções. Não fui bom em estabelecer estratégias. E o pior… não soube respeitar e manter os talentos que tenho por aqui.

Como resultado… a média de acessos mensais do UBQ caiu, o podcast perdeu audiência, o canal de vídeos vai mal… O UBQ está se sustentando de modo sofrível. E em razão do meu histórico ruim em conduzir o UBQ, as coisas chegaram a um ponto em que as pessoas estão cansadas de tantas promessas e quase nenhum resultado.

Recentemente o UBQ um feedback bastante negativo de algumas assessorias de imprensa sobre a nossa atuação como veículo de mídia. E somando todos os fatos… precisávamos tomar uma decisão… e eu – na qualidade de editor-chefe – a tomei.

A questão financeira

Manter o UBQ hoje não é algo totalmente gratuito. Na verdade, para manter o UBQ como um portal de conteúdos. temos gastos com hospedagem, programas de edição e produção. Vez ou outra, precisamos de equipamentos e insumos.

No início, não havia outra alternativa senão investir com recursos próprios. Com isso compramos uma câmera, microfone, iluminação e equipamentos para audiovisual. Em alguns momentos, chegamos a receber alguns equipamentos e serviços como forma de incentivo ao canal. Em 2019 por exemplo, graças a uma parceria, ganhamos a hospedagem do UBQ na plataforma WordPress durante um ano.

Mas de modo geral, as contas do UBQ são bancadas por seus editores… E quais são as despesas fixas que temos? Vamos lá…

O UBQ em valores

Pois é… o UBQ tem um custo de manutenção de R$ 174,00 mensais. Fico pensando nos custos de um site profissional. E isso não inclui custos com equipamentos, despesas de eventos e outras eventualidades.

Mas vamos partir do princípio que R$ 200 seria o valor mensal que o UBQ deveria gerar para se sustentar e ter alguma reserva para investimentos em estrutura. Como o UBQ poderia gerar isso?

Pensamos em publicidade no site. Depois, pensamos em um programa de assinaturas via Pic Pay. Aí veio a ideia de angariar doações via Pay Pal. E também pensamos em fazer um rateio entre o pessoal que participa do UBQ.

De todas as alternativas, a única que surtir algum efeito é o rateio entre o pessoal do UBQ. E mesmo assim ele é parcial. E isso não é uma cobrança. É apenas a constatação da nossa situação.

Em meio de tantas alternativas, uma decisão necessária.

O UBQ voltará a ser apenas um blog qualquer. O conselho editorial foi desfeito, pois tanto o Michel Matias Vieira como o Luiz Filipe Mattos Pereira me pediram para abrir mão destas funções editoriais. A partir de agora, todos da Redação UBQ, inclusive eu, faremos as publicações observando um calendário mínimo.

Pelo carinho, seremos ainda o UBQ (eu gosto do nome), eu ainda faremos as publicações dos textos produzidos pelos meninos da Redação. E eu, enquanto editor farei o possível para respeitar este calendário.

E também vou continuar com a brincadeira do “Sr. Editor”. Ela é divertida.

Mas é preciso deixar claro que:

  1. Não haverá mais nenhuma cobrança com vocês em relação a produção ou postura… os meninos são livres para contribuir (ou sair, se desejarem) quando e como quiserem.
  2. Eu continuarei a manutenção do UBQ como um veículo de mídia, mas sem nenhuma cobrança para com o pessoal que contribui com conteúdos. Assim, haverá apenas um único responsável pelas decisões editoriais.

A escolha de uma alternativa implica na renúncia de outras escolhas. Sempre podemos voltar e buscar outra alternativa.. Mas isso causa um aumento considerável de tempo para realizar um objetivo. E estamos cientes disso.

E financeiramente? Como fica o UBQ?

Em relação a questão financeira, desistimos do serviço de hospedagem pago para o podcast. Assim, cancelamos nossa assinatura do Podbean e optamos por hospedar os podcasts no Anchor que é gratuito (mas com limitações). As assinaturas dos programas e da hospedagem do site precisarão ser mantidas. Então temos uma nova situação…

Cortando despesas
Cortando despesas

Temos uma arrecadação mensal de R$ 45 reais (na verdade, apenas R$ 30, visto que a hospedagem do UBQ foi paga uma anuidade equivalente à R$ 15 mensais. Só que à vista). O restante é pago com recursos próprios ou recursos extraordinários. O que quer dizer que ainda temos um déficit de R$ 42,00.

Como pretendemos cobrir este valor? Uma boa saída seria termos assinaturas dos inscritos via PicPay… Anúncios também ajudariam demais. Mas por enquanto, vamos cobrir isso com os recursos próprios.

Conclusões

Não é minha intenção com este editorial gerar um sentimento de pena, mas sim de mostrar que queremos trazer o melhor conteúdo para vocês. Seu apoio através de sua audiência, a divulgação pelas redes sociais são de grande ajuda.

O UBQ continua… continua a produzir, continua a informar, opinar e entreter. Talvez não na velocidade que gostaríamos.

Enfim, já que o que planejamos não saiu como o esperado, estamos em busca de alternativas para fazer o nosso melhor. E contamos com vocês para que isso possa acontecer.

Deixe seus comentários

Publicado em:Editorial

Conheça também...