Menu fechado

Transistor

Fala galerinha belezura? Olha quem voltou a falar de um game que jogou e salvou. Eu mesmo! Bora jogar… Transistor.

Dos mesmos criadores de Bastion

Pois bem, sem me alongar muito, hoje estou aqui para falar de um game que eu curti pacas jogar que é Transistor.

Transistor foi desenvolvido pela Supergiant Games
Transistor foi desenvolvido pela Supergiant Games

Trata-se de um Action Role Playing Game desenvolvido pela Supergiant Games, mesma desenvolvedora de Bastion, game que já escrevi sobre em nosso antigo site.

E logo mais, deve aparecer aqui no novo site. Nosso editor está trazendo os textos aos poucos e enfim… queria aproveitar para tirar uma da cara do nosso editor.

Nosso editor as vezes é chat.... quero dizer... implacável.
Nosso editor as vezes é chat…. quero dizer… implacável.

A história de Transistor

Falando um pouco da história do game, ela é focada na personagem RED uma famosa cantora que é atacada e acaba perdendo sua voz no processo.

Red é a personagem central de Transistor
Red é a personagem central de Transistor

A partir daí, ela descobre o corpo de um homem misterioso com uma espécie de “espada” fincada nele.

E ao retirar a tal ‘espada’ do corpo do cidadão, ela começa a ouvir uma voz que conversa com ela, e vai ditando o que ela deve fazer.

Então, ela se vê no meio de uma missão extremamente importante: impedir o processo de acabar com toda a vida humana. E ao que parece, já haviam acabado com a cidade dela…

Um homem misterioso com um espada fincada... eis a Transistor!

Um homem misterioso com um espada fincada… eis a Transistor!

Para enfrentar todos os inimigos ela contará com a ajudinha da “espada mágica” que revelo ser a arma que da nome ao game… a Transistor.

Hmmm… então esse treco se chama Transistor?

Esta espada possui a consciência do homem morto no inicio do game (que narra a história e interage com Red), além de possuir poderes que vão aumentando ao longo do jogo.

Transistor pode se tornar mais e mais poderosa
Transistor pode se tornar mais e mais poderosa

Já que se trata de um item bem especial, Red nem precisa de muito para descobrir quem está comandando o ‘Processo’: Um grupo chamado ‘Camerata’.

Este pessoal está por trás de tudo o que está rolando e ainda quer pegar a espada de Red para poder utilizar em seus planos.

Camerata... o pessoal malvado do universo de Transistor
Camerata… o pessoal malvado do universo de Transistor

Análise do jogo

Sim… é muito bom! Segue muito a pegada do que se vê em Bastion. A câmera na diagonal. Armas que podem ser combinadas. Evolução destas armas com itens de melhoria que trazem bônus mas a um custo.

Algo parecido com Bastion. No caso, eram as estátuas dos deuses.

Além da história contada por um narrador, um personagem que não fala e uma história que mostra o possível fim da humanidade.

Quanto às comparações destes jogos, se há alguma diferença sutil, é mais referente ao sistema de combate que em Bastion era mais action e em Transitor é mais estratégico.

Mas PH se é uma cópia do Bastion vale a pena jogar?

Transistor? Vale muito a pena jogar!

Bom, tanto Bastion quanto Transitor têm ótimas histórias, personagens cativantes, inimigos cativantes (apesar de maus).

E uma trilha sonora que meu amigo, é muito boa. Boa mesmo!

Então, de novo… a trilha sonora de Transitor é animal. E quer saber? A de Bastion também!

Este é um jogo relativamente antigo (foi lançado em 2014), então vira e mexe sai uma promoção deste game na plataforma da Epic Games, Steam, etc.

Jogatina Grátis

Para encerrar, saibam que a Epic Games sempre oferece uns joguinhos gratuitos em sua plataforma. Então, vale a pena baixar o app deles e ficar ligado.

Um abraço.

Trailer de lançamento do jogo Transistor

Outros artigos do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *